HISTÓRIA

Os passos da história de Zanzalá a Rio Grande da Serra:

Com as primeiras povoações surgidas no Planalto de Piratininga, houve a necessidade do fornecimento de sal. O mineral era trazido do Porto de São Vicente para altiplanos do alto da serra, passando pelo povoado do Alto da Serra, atual Paranapiacaba.

Rio Grande da Serra teve origem em 26 de maio de 1560 com a divisão de terras nos campos de Jeribatiba. O local foi a terceira aldeia construída pelos jesuítas.

A Vila de Jeribatiba passa a ser denominada Vila Rio Grande pelo decreto do Marquês de Alegretti, em 1640. Naquela época o transporte era feito em lombos de burros guiados pelos tropeiros, e no mesmo período fundou-se a Vila de Mogi das Cruzes, que rapidamente tornou-se uma das maiores povoações da região. Para lá começaram a se dirigir os infatigáveis tropeiros transportando cargas de sal. Eles utilizavam o Caminho do Mar passando pelo povoado do Alto da Serra, até a região conhecida por Zanzaláh.

Um dos locais preferidos para as paradas das tropas era às margens do Rio Grande, por ser este um dos mais importantes rios da região, com destaque para sua boa pastagem.

Numa dessas paradas e andanças faleceu um dos tropeiros que, segundo a lenda, foi sepultado num promontório próximo ao local da parada, onde posteriormente foi marcado por uma tosca de cruz de madeira, e então decidiram construir uma “orada�, que mais tarde foi substituída por uma capela, que hoje é a atual Capela de São Sebastião. Anos mais tarde, o lugarejo em que se localizava a igrejinha passou a se chamar Santa Cruz, por ter sido construído o orador no dia 3 de maio em homenagem à Santa Cruz.

Fatos relevantes:

1600 – Tropeiros constroem a Capela de Santa Cruz, onde é atual Capela de São Sebastião.

1611 – Fundação da Capela de São Sebastião.

1735 – Concessão de Sesmaria a João Alves Pimentel, no Rio Grande, caminho de Santos, parte do atual Município.

1809 – Surge o primeiro armazém de secos e molhados.

1840 – O Capitão General Antônio Manuel de Melo solicitou a construção de um rancho na estrada Mogi das Cruzes-São Paulo para abrigo de tropeiros e cargas.

1850 – O caminho dos tropeiros já era notado e muito procurado, devido à fácil acessibilidade.

1854 – Surge uma das primeiras construções de alvenaria na cidade.

1855 – Fiscalização sobre a epidemia de cólera, que então assolava a região.

1862 – A Lei nº 8 de 19 de Maio determinou a construção do caminho do Zanzalá.

1863 – O jornal Correio Paulistano noticia a ligação Mogi-Rio Grande, interligando Santos a São Paulo.

1864 – Ferrovia São Paulo Railway atinge o povoado. A estação era de pau-a-pique.

1867 – Inauguração da ferrovia SPR no município atual e nos outros municípios vizinhos.

1868 – Construída a nova estação de ferro.

1870 – Construções começam a tomar frente no povoado, embora modestamente.

1880 – Rio Grande conta com ramais de ferrovia para extração do carvão.

1895 – Início da exploração de manganês, grafite e água mineral.

1897 – Lavrado registro de imóvel no então povoado.

1899 – Chegam os primeiros imigrantes italianos, alemães e suíços para trabalharem em Rio Grande.

1900 – É esculpida a Imagem de São Sebastião, existente ainda nos dias de hoje.

1901 até 1906 – Há o cuidado para que os barcos existentes no povoado e que navegavam pelo Rio Grande, principal rio do povoado, contribuíssem com impostos.

1906 Inicia-se a canalização do Rio Grande e adjacências.

1909 – Surge o primeiro açougue no povoado.

1910 – O cemitério do povoado é denominado São Sebastião.

1912 – É trocada a iluminação pública, colocando-se novos lampiões na cidade.

1918 – Instaladas a indústria de grafite e desenhos industriais na cidade.

1920 – Instalação do primeiro telefone.

1927 – A Prefeitura de São Paulo adquire a Pedreira, o que representou a abertura de novos empregos e serviços ao povoado.

1928 – Inauguração da Instalação Elétrica.

1930 – Inauguração do campo de futebol da Pedreira.

1930 – Já havia em Rio Grande fábrica de esteiras, serralharia, sorveteria, olarias, plantações de verduras e flores. Existiam ainda muitos pés de copo-de-leite, flor nativa de Rio Grande.

1945 – É implantada a Eletro-Cloro, próxima à cidade.

1950 – Rio Grande possuía aproximadamente 90 casas de alvenaria.

1951 – Times de futebol surgem com entusiasmo em Rio Grande.

1952 – Rio Grande possui padarias, armazéns de secos e molhados, armarinhos, marcenarias, floriculturas caseiras, venda de folhagens e verduras, sorveterias, costureiras, arranjos de flores artificiais, festas religiosas em grande escala, bailes carnavalescos com blocos, musicadas, serenatas, violinistas, sanfoneiros, escolas públicas, telefones, boa condução ferroviária, ônibus até as cidades vizinhas, muitas casas em alvenarias etc.

1964 – Rio Grande da Serra alcança o status de município ao conquistar sua Emancipação Político-Administrativa de Ribeirão Pires.

Av. Dom Pedro I, 10 - Centro, Rio Grande da Serra - SP, 09450-000